Buscar

Prefeitura de Varginha, Ambasp e Ceasa Minas assinam convênio para estudo da viabilidade da implanta


A Vinda da CeasaMinas para a microrregião do baixo Sapucaí foi tema de reunião realizada em Varginha nesta sexta-feira, dia 04 , no Bloco B da Cidade Universitária do Unis-MG. Na oportunidade o Prefeito de Varginha, Antônio Silva e o prefeito de Campo do Meio e presidente das Ambasp, Robson Machado de Sá assinaram um convênio com o presidente da Ceasa, Guilherme Brants, com o objetivo de construir o diagnóstico econômico da região do Baixo Sapucaí, com a emissão de relatório técnico descritivo do estudo de viabilidade de implantação de mercado atacadista na região.

A reunião contou com a participação do prefeito de Varginha, Antônio Silva e do vice-prefeito Vérdi Melo, de Prefeitos filiados à Ambasp, vereadores, secretários municipais e representantes de entidades de classe e dos deputados estaduais Antônio Carlos Arantes, membro da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislaria de Minas gerais e Emidinho Madeira e do deputado Federal Carlos Melles que manifestaram em público o apoio a vinda da Ceasa para a região, como estímulo econômico para o desenvolvimento da microrregião, especialmente com o aproveitamento das potencialidades econômicas e utilização dos recursos naturais da região para a região.

Durante reunião foi assinado um TERMO DE COMPROMISSO, por meio do qual o município de Varginha, representado pelo Prefeito Antônio Silva, assumiu o compromisso, de disponibilizar área de 44.771,00m², situada na Avenida Projetada, Gleba D, Distrito Industrial Cláudio Galvão Nogueira, ou outra que lhe seja equivalente, após autorização legislativa, para instalação de um Mercado Atacadista de produtos hortigranjeiros na cidade, atendendo à Microrregião do Baixo Sapucaí.

“O agronegócio no Sul de Minas hoje é a alavanca de move nossa economia a exemplo a vinda da Cessa para Varginha, é realmente algo que merece ser comemorado, é a segurança para os nossos produtores, a conexão entre produtores e consumidores, retirando o mercado especulativo, e quero reafirmar aqui, Varginha é apenas um ponto, mas toda a região sairá ganhando, por isso estamos disponibilizando a área necessária para a implantação deste empreendimento e tenho a absoluta certeza pela tratativas que já fizemos, que com o apoio da Câmara, conseguiremos uma vitória. Faço aqui uma justa homenagem ao Robson, presidente da Ambasp, que teve esta feliz iniciativa e seu sonho está se caminhando para a realização a partir de hoje. Com minhas palavras traduzo o sentimento de todos os produtores rurais de Varginha e região”, disse o Prefeito Antônio Silva.

Em sua fala o presidente da Ceasa, Guilherme Brants demonstrou sua satisfação de participar da reunião. “Não medi esforços para participar da reunião atendendo ao anseio e a necessidade da região do Baixo Sapucaí. Estamos aqui e venho dar esta grata noticias com relação a este possível Centro que será instado em Varginha. Por meio deste convênio firmado com a Ambasp e Prefeitura de Varginha, a Ceasa disponibilizará sua expertise, seu corpo técnico estritamente especialista nesta área de abastecimento que irão realizar todo o trabalho necessário para que possa viabilizar a vinda de uma unidade da Ceasa para Varginha”, salientou.

Qual a importância de uma Central de Abastecimento para a região?

Com a construção de um Centro Regional de Abastecimento na região, estaremos definindo um ponto de reunião de agentes de comercialização para efeitos de operações de compra e venda de produtos alimentícios de origem vegetal ou animal. Estes agentes estão representados pelos produtores, comerciantes e consumidores. Envolvendo prestadores de serviço (formais e informais), imprensa, empresas de extensão agrícolas e universidades, empresas, órgãos públicos e prefeituras municipais.

Para os Comerciantes: a importância da CEASA seria a máxima aproximação com o mercado; o canal de comercialização entre o produtor e o consumidor será encurtado e a figura do atravessador será excluída do processo. Assim, o produtor conseguirá juntar informações para planejar melhor o período para o plantio de determinada cultura.

Para o Produtor: Uma das vantagens seria a segurança nos seus investimentos por estar numa cadeia de produção mais firme e consolidada, com redução de custos de comercialização.

Para o Consumidor: Seria a facilidade, a qualidade e a minimização de custos para adquirir seu produto tendo em vista a redução no tempo de distribuição do produto; a produção sairá da fazenda e chegará mais rápido nas mãos do consumidor final.

Para os municípios: a implantação irá incrementar e difundir outras políticas locais e regionais, pois as centrais reúnem um número considerável de produtores, além de facilitar o controle e fiscalização; com o escoamento da produção passando por um único canal e com um controle efetivo do abastecimento alimentar, o governo pode quantificar com mais precisão o que é produzido e atravessa o mercado. Redução das economias de aglomeração, como a fonte dos ganhos de produtividade que situa no interior do processo de comercialização.

Sem falar do acréscimo do Valor Adicionado Fiscal (VAF), que é um indicador econômico-contábil utilizado pelo Estado para calcular o índice de participação municipal no repasse de receita do ICMS.

Escoamento da produção

Com o Centro Regional de Abastecimento o produtor terá a oportunidade de escoar seus produtos com mais tranquilidade, qualidade e conforto e com grandes expectativas de gerar muitos empregos, considerando que o região tem vocação e um grande potencial agrícola.


35 3221-0556      Varginha - MG
O Debate - 2020 © Todos os direitos reservados